quarta-feira, 25 de outubro de 2017

Colorido Oculto - poesia de Suzana Castro


Não sei dizer como me sinto, 
As palavras fogem de mim nesse momento,
Uma complicação de sentimentos,
Subindo e descendo,
Na maré da vida.

Grãos de certeza somem,
E somente a ansiedade consome.
Universo repleto de enigmas,
Do viver,
Em colorido oculto.

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Se soubesse não faria — discurso de Suzana Castro



Nesses tempos andam me acontecendo muitas coisas, que no entanto eu não queria, ou simplesmente não entendo.
 O concurso do TAL, uma responsabilidade entre tantos papéis para assinar. Estou sentindo o meu querido professor se afastar, mesmo que seja somente uma impressão está me machucando muito. Deixei com que conhececem como poetisa naquela tarde, tive meu último beijo na testa, meu último abraço. E confesso, se soubesse que perderia todo o carinho, de quem acredito ser quase meu amigo, não teria me mostrado assim, pois todos os elogios, e todo o reconhecimento do colégio não vão passar a dor que eu estou sentindo aqui, bem dentro de meu coração.

Preferia que ele acreditasse naquela menina frágil, que precisaria de cuidados, ou me visse somente como uma desenhista, que ainda não queria que chegasse a conhecer, tais virtudes me fazem tão mal que, as vezes juro que me odeio, mas que culpa tenho, ou é você que não gosta de mim? Eu não sei, mas as coisas estão mudando muito.





sábado, 5 de agosto de 2017

Entre a felicidade e a culpa



Ele me pediu, e pediu muito para que eu fosse para aquele evento. Mas o pior de tudo é que a culpa não foi minha, ou foi? No dia seguinte, o certo dia do ocorrido. Amanheci queimando em febre e com muita dor de cabeça.

Por conta disso, agora passei a semana inteira sem ir para a escola. Uma tosse que nem vale contar. E é por conta disso mesmo. Agora talvez ache que é por medo de olhar na cara dele que agora não estou frequentando o colégio, mais não é não.

Eu até fiz um poema para me desculpar, do que eu havia aprontando. Mas mesmo assim, com todos os ocorridos, estou com um sentimento meio que de felicidade e ao mesmo tempo de culpa.

domingo, 16 de julho de 2017

Meu amor não se disfarça! — poesia de Suzana Castro



Eu sempre te amei,
E agora o infinito encontra-se mais imenso,
Cresce muito,
O amor que florescia na primavera romântica,
Em uma chama que incendiava o desamor,
E fumaça com um adeus ao desapego,
Que só restou pó,
Que no vento do desprezo se espalhou.

Só consigo sentir sua falta,
E minha felicidade encontra-se longe,
Por um imenso amor,
Que o teu lindo rosto  resplandecer deseja.

Será que não denota o que está claro,
Tua lucidez não reconhece uma evidência,
Que efetivamente te ama!

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Lucidez embriagada - poesia de Suzana Castro



O seu carinho e o puro delírio que meu cotidiano anceia.

É a pura loucura,
Em lucidez complexa,
De uma embriaguez enigmática,
Que de amor nos enebriou.

Foi caída perfeita do desamor,
E a solidão desabou.

Estamos embriados de amor,
Detonando desamores,
O desejo brotando,
Feito uma rosa ansiosa,
Que enxala nosso coração,
De avidez profunda...

Nossa lucidez embreagada,
Nos deixou neste estado,
Total enlevo em fixação,
Nos enlaçando...

Não me deixo cair - pensamento de Suzana Castro



Há tantas coisas querendo derrubar

A todos lados da pra suspeitar

Uma dor tremenda

Vindo atormentar

Mas não

Não vou me deixar cair

Tentar subir

Tentar subir

Nunca desistir

Nunca desistir - uma frasinha minha - eu mesma; Suzana Castro



Se as coisas ficam difíceis,

Há uma brecha de refúgio bem lá no fundo do túnel,

A fé em Deus,

A persistência em vencer,

São crenças vitais,

Que nunca devem ser esquecidas...

Nítidas vitórias — poesia de Suzana Castro



O dia nasce formoso,
Colorido de fecundas airosidades,
Mas um ato nefasto,
Pode polui-lo com o puro dissabor.

Por isso trilho em frente,
Busco dar o meu melhor,
Sei que nítidas vitórias me esperam,
É vou recolhe-las com todo meu amor.

Mas terei de caminhar com a plena eutimia,
Em absorção a ética;
E se tropeçar em problemas,
Persuadi-los em sucesso.

Não é descomplicado,
Mas empreender-se,
É um passo ao êxito;
Enquanto houver força de vontade,
Minha lucidez me guiara,
Ao meu objetivo.

domingo, 9 de julho de 2017

Minha lista de 30 livros por mês, estranho né? Mas é uma competição com si mesmo.



Quem olha pode achar estranho, ouvir da boca de uma pessoa que deseja ler 30 livros por mês. Ou seja, um por dia.
Só que nada mais é que uma competição com si mesmo, e que ainda ajuda à programar o cérebro, facilitando assim cada vez mais as vezes de aprendizagem.

Se assustam quando leio muitas vezes 100 páginas de livro por dia, sendo que ainda faço minhas poesias, crônicas, contos, composições e desenhos.

Mas eu não acho estranho não, me dar até um alevio quando tento e consigo.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

O professor enlouqueceu de vez, acho que eu tô amando ele - crônica de Suzana Castro



Era 3:00 da tarde quando o professor entrava na sala de aula, meio que alegre dando boa tarde.
Começa então distribuir uns papéis aos alunos, com uma tarefa para ser feita naqueles trinta minutos que havia. Mas no primeiro parágrafo da atividade se encontrava um poema, com verbos, que no entanto era de amor, condizendo a pessoa que amava e queria entregar um possível poema de amor a pessoa amada. Aí fiquei olhando um papel com uma cara estranha, achava aquilo muito estranho, já que, um homem tão crítico e significativo, botar na atividade Poemas de amor! Era muito estranho... mesmo que ele tivesse lá suas sensibilidades.

Eu acho que ele percebeu minha cara, e eu já sabia que ele é casado, não gosto muito de olhar ou seja, encarar, para homem casado.
Primeiramente, ele se equivocou, por que não havia antes, na aula passada explicado o assunto constituído na atividade, verbo transitivo direto e indireto, meio complicado, mas deu pra aprender.

Então primeira frase que o professor bota e que, tal pessoa, foi a um mercado comprar flores. Até aí tudo bem. Mais então bota dizendo que "ama sua esposa", ah isso eu não duvidei de que, o professor só poderia está se referindo a mim, pelo fato de eu não olhar muito para ele.

E pra completar a situação, minha mochila cai, na verdade não foi por nervosismo nenhum, mas ele deve ter achado que foi, mais o importante é que eu não o amo, se ele quiser achar que ache, não me importa!

sábado, 10 de junho de 2017

Cansa sentir quando se ama - Poesia de Suzana Castro



Chega transbordar a dor,
De um coração cansado,
De tanto amor proibido,
Sem poder alcançar,
O que lhe parece impossível.

As lágrimas descem sem para,
Rolam como o bruto sofrimento,
Agredindo meu coração,
As noites e dias parecem não passar,

Tentar encontrar - Poesia de Suzana Castro



Há tantos caminhos,
E eu me perdi,
No meio de tantas coisas,
Que tampouco cheguei a descobrir.

A vida é muito injustiça,
E as injustiças rolam a cada segundo,
Se omenos,
Uma gota de alegria caísse em meu coração,
Desceria sob meu rosto,
Lágrimas felizes.

Mas a justiça e oculta,
Na gramática real da realidade,
Onde o errado e certo,
E o certo é errado.

Tento encontrar,
A minha felicidade,
Mas ela se perdeu de mim,
E onde se esconde,
Meu coração não sabe.

Não chorar por quem não merece! - poesia de Suzana Castro


Olha pra mim,
Tenta adivinhar o que eu sinto,
O meu olhar nada te demonstra,
Tenta me fazer sofrer,
Me atribui a tristeza,
Para que lágrimas entrestecidas eu possa pingar.

Mas não adianta,
Não me submeto ao teu querer,
Sim, sim, não desisto.
Não entrego meu sofrimento a quem não merece!

Se tiver de pingar lágrimas,
Que sejam lágrimas felizes,
De um amor que hoje me faz triste,
Mas um ano inteiro de felicidades!

Quem ama cuida - Poesia de Suzana Castro



A cada momento,
Deixei o amor prosseguir,
Sem um mínuto de parada,
Sem uma gota se quer, a cair.

Em troca de nada,
Pois não se troca,
Sentir profundamente,
Nas profundezas da paixão.

Se ama esse amor,
Por que o maltrata?
Cultive-o, faça cresce-lo.
Pois se ama de verdade,
A força de vontade não feri.

A voz do silêncio - poesia de Suzana Castro



Preciso ouvir a voz do silêncio,
Preciso alcamar meu coração,
A zoada rola no tempo,
Como uma tristeza gritando pela infelicidade.

E tudo que preciso,
De uma paz com nome silêncio,
Gritando em meu coração,
Estou aqui...

1997 - Poesia de Suzana Castro



Época de descobertas,
O sentimento próprio,
Coberto por um ano vivido no agora,
Mas lindas lembranças do passado.

Onde se passou,
A felicidade no presente a vista,
O medo do futuro morto,
Os planos nascendo.

Lágrimas e risos,
Fluidos do nada,
O mais puro calor,
Aquecendo a felicidade.

Foi em 1997,
Lembranças concretas,
Na felicidade do agora,
Onde o sentimento se mostra.

(Suzana Castro)

Lado Sentimental – Poesia de Suzana Castro



Meu lado sentimental tem que suportar a perca do  teu amor,
Nada dura pra sempre,
E esse infinito amoroso acabou.

Dá uma dor,
Mas posso recolhe-la,
Pouco a pouco,
E fazer pingar até secar.

Foi uma preciosidade,
Que se perdeu para sempre,
Que se queimou,
E só restou a dor.
Está que vou derramar,
Deixando sequer,
Uma gota sobrevivente.

domingo, 28 de maio de 2017

Apenas uma prova - poema de Suzana Castro


E apenas uma prova,
Só preciso manter a calma,
Apenas três matérias,
O nervosismo não pode me vencer agora.

Tenho que lutar,
Até os últimos segundos,
Antes da mesma acontecer.

E o medo do futuro,
Que tenta me fazer temer,
Mas tenho que tentar vencer o medo,
E como prêmio ganhar a coragem,
Tão difícil de ter.

Não posso temer o futuro,
Pois de uma forma ou de outra ele irá chegar,
Apenas tenho que fazer planos,
Nós sonhos construir o desejo,
Para mais tarde realizar.

Nas páginas da filosofia - poema de Suzana Castro



Nas páginas da filosofia,
Irei navegar em um mar fisiológico,
Irei encontrar teorias e fatos,
Em águas tão fisiológicas.

Meu barco e a curiosidade,
Que navega em busca de respostas,
Para dúvidas tão teóricas.

Dos grandes filósofos,
Nomes que marcaram a história,
Irei conhecer seus pensamentos,
 Até mesmo sua participação na filosofia.

Nas páginas da filosofia,
Tão lidas por muitos,
Estou sim, as conhecendo hoje...

sábado, 27 de maio de 2017

Eu gosto de Rock, qual o problema? - poesia de Suzana Castro



Olham em meus olhos

Vêem o romance

Eu gosto de Rock

Não parece?

Se tomarem susto, não me importa

Eu gosto do meu gênero

Eu gosto do rock sim,

Quem está com dúvida

Me pergunte

Eu irei sempre dizer

Gosto de rock

Por Suzana Castro

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Marilyn Monroe - uma das mais belas mulheres do cinema - um marco na história



Marilyn Monroe como todos já conhecem e uma das pioneiras em beleza no cinema norte americano. Tanto que é difícil encontrar hoje alguém que não conheça Marilyn Monroe.

Famosa por filmes onde mostrava sua beleza sedutora marcou na história, hoje não é difícil se ver, em um baile a fantasia, alguém não se fantasiar de Marilyn Monroe.

E uma mulher que marcou na história, até hoje por muitos lembrada.

Livro Legião Negra - a luta dos afro-brasileiros na revolução constitucionalista de 1932 - Oswaldo Faustino - resumo - capítulo 17 - não há mal que sempre dure, nem...


Certo dia está Miro, já despreocupado com tantas coisas, já tem uma ambulância para pegar seus pacientes e até uma auxiliar de enfermagem, mais ai seu sogro inventa de se candidatar outra vez a prefeito, ou melhor, pergunta se o genro não quer.
Diz das coisas boas que um  prefeito tem na vida, das ruas a em casa.
Até que se ver sussurros na rua, comentando que a filha do prefeito só havia se casado com Miro, por que é bom moço. E que miro deu o golpe do baú.
Miro então descobri, que sua mulher e anêmica por conta de uma hemorragia inesgotável e seu sogro já se individou-se muito, se desfez de boa parte das suas terras.
Entra então uma mulher indígena, pede um exame geral, só que Miro ainda não estava capacítado para aquilo, e Pedro desculpas. Mais na porta tem um velhinho, aperentando uns 80. O velho obriga Miro fazer os exames, dizendo ser o coronel da cidade, e Miro faz. Só que aquele coronel e um dois piores inimigos políticos de seu sogro, pra quem já havia cedido boa parte de suas terras.
O coronel então cochila, Marcela, a mulher indígena, aproveita então para falar de assuntos sobre seu marido, dizendo que ele não estava funcionando bem. Então mandou ela fazer um exame geral, mais na verdade quem precisava era ele. Como Marcela diz que seu marido não aceita ir se consultar, Miro diz que vai preparar um remédio de laboratório, para colocar no suco ou na comida dele.
Marcela queria um tratamento nela, e sorria para o doutor, com um sorriso malicioso.
Até que acordou o coronel, ele pagou a conta, e foi embora.
Mas então as visitas de Marcela, começaram ser frequentes, no consultório de Miro.
Seduzindo Miro, Miro tenta resistir, mas pensa noite em dia na indígena. Até que um dia Marcela chega ao consultório de Miro e ela não consegue resistir, e se entrega.
Ate começa a chover, e os relâmpagos se ouvem de longe, então Miro e Marcela estão se beijando, Marcela nua da cintura para baixo e Miro semi nu.
Então a porta do consultório se abre, uma moça foi levar os bolinhos de chu que sua mulher havia fazendo, mais o que ele não esperava e que sua mulher estava na soleira da porta e avista, decepcionada a mulher sai gritando pela rua, chamando o marido de traidor.
Os gestos da mulher de Miro, chamam atenção de toda Marilândia, até que Miro e seu sogro ficam olho a olho, Seu sogro não fica com ódio, mas com decepção, e Miro envergonhado.
A mulher de Miro, Marieta, fica feliz, pois já estava quase livre de seu marido.
Mas então o coronel, marido de Marcela chega, com uma carabina engatilhada, e povo começam a lhe defamar, e dizendo que todo o erro, era por que ele era negro. Miro sai correndo, pega o pouco dinheiro que tem dentro da gaveta do escritório e sai correndo para a estação de trem, chegando lá alguém lhe atira uma pedra, acertando a cabeça.
Depois de um tempo, sente o sangue ressecado no pescoço. Mais não tem gases para limpar.
Pela primeira vez Miro sente doer a palavra negro.

domingo, 21 de maio de 2017

Meu verdadeiro amor - poesia de Suzana Castro



      Meu verdadeiro amor     
Te amo com toda verdade
Com sinceridade
E amor.  

Nunca duvide
Nunca duvide
Te peço por favor
Não disconfie do meu amor.

Sofri por não te ver
Uma noite em claro
Lágrimas caídas
Pela falta de você.

Então eu digo
Não duvide
Meu amor

Olhas pro lado
E verá a mesma verdade
Os espelhos
E a cristalina água do lago
Refletiram
A verdade.

A união de um casal - por Suzana Castro



 A união de um casal
E um bem matrimônial
Um matrimônio do amor
Que o desejo cultivou.

Cresce a cada dia
Em renda ao amor
Salário amoroso aumenta a cada segundo
Que o desejo de amar
Se torna maior.

Os casais são belesas estampando o mundo
Com a vista exposta
Do amor e a

O calar da dama de vermelho - poema de Suzana Castro



O calar da dama de vermelho

Onde o amor se revela

Em plena voz de silêncio

Onde o lenço de seda

Cobre um amor arranhento

Que fere, maltrata

Deixando cicatrizes de mágoas

Tão abstratas, tão transparentes

Não se ver com a realidade

Mas com os olhos do sentimento.

Tipos de Damas - em cores

   
            Dama de vermelho



             Damas de dourado



            Daminha de branco


                      Dama de preto


                        Dama de rosa


Boa Notícia - Lembranças de um momento bom - por Suzana Castro



Hoje tive uma boa notícia

A melhor

Que nesta altura do dia poderia ter

Agora estar tudo bem

Não precisarei mais fazer 

O que não quero

O que eu tinha de fazer sem querer

Tudo ocorreu bem

Nestas frases

Eu declaro a minha segunda feira

Do mês de abril

Melhor do que poderia imaginar

                                                                         

17/04/2017  por: Suzana Castro

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Acalentando - poesia Suzana Castro



Acalentando a tristeza,
Em um sono profundo,
 Nas profundezas da mágoa,
Fazendo acordar às águas da alegria,
Dando continuidade à história real fictício,
De era uma vez,
Felizes para sempre...

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Vencer sem vontade – poesia de Suzana Castro



Vencer, vencer, vencer...
Mas cadê o gosto do prazer?
Meu coração já não sente.
Esta cansado de tanto se machucar,
Em meio a tantas pedras,
Que tentam me impedir.
Tentam me esbarrar na entrada da felicidade.

Já cansei,
E se agora eu vencer,
Só haverá lágrimas,
A vitória já não tem a cor da felicidade,
O sofrimento a apagou,
A tristeza lhe deixou descolorida...

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Minha pintura - poesia de Suzana Castro



Minha pintura,
És a minha pintura...
Com tinta a óleo,
Colorimento profundo...
Colorindo o meu sofrimento,
Deixando ofuscado,
Em um sorriso a mostra...
Numa pintura...

Uma pintura que não evenhece,
E o meu eu não sentimental...
Diante da alegria permanece,
Não sai sorrindo pelos corredores da sala,
Diante do sofrimento permanece,
Não está em pleno choro no seu quarto...

És uma pintura,
A minha pintura,
Um retrato fixo,
Um registro confidente,
De um momento feliz,
Que hoje está so na minha lembrança,
E neste quadro,
Com minha felicidade retratada...

sexta-feira, 12 de maio de 2017

O que eu sou - Roberto Bandeira



Eu as vezes não entendo!
As pessoas tem um jeito
De falar de todo mundo
Que não deve ser direto.

Aí eu fico pensando
Que isso não está bem.
As pessoas são quem são,
Ou são o que elas têm?

Eu queria que comigo
Fosse tudo diferente,.
Se alguém pensasse em mim,
Soubesse que eu sou gente.

Falasse do que eu penso,
Lembrasse do que eu falo,
Pensasse no que eu faço,
Soubesse por que eu me calo!

Porque eu não sou o que visto.
Eu sou do jeito que estou!
Não sou também o que tenho.
Eu sou mesmo quem eu sou!

terça-feira, 9 de maio de 2017

Por que é assim?




Por que é assim?
Tantas coisas, tantas regras,
Para se obedecer,
E não sou uma submissa,
Que a tudo vai aceitar...

Eu quero mandar em mim mesma,
Será tão difícil perceber,
Por causa de minha menor idade,
Meus atos,
Não querem deixar responder...

Pra tudo uma assinatura,
Oh responsável  assina aqui;
Assim diz o juiz...

Mas pra quer isso, pra quer?
Deixem com que nos mande em nos mesmos,
Nem todos adolescentes,
Aceitam submissão,
E não vão seder...
Então aceitem, aceitem...

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Esclarecimento – poesia de Suzana Castro



Tantas vezes,
Tampoucos minutos,
E o que resta,
E o que forma,
Um clipe de romance de segundos,
Reações e desejos
Incompreensíveis.

O que custa esclarecer,
Não faltou a luz do cineasta,
Equipamentos em perfeito estado...

Quando este romance irá brilhar,
Talvez quando a luz da 
Insegurança apagar...

E o que restou,
E o que sobrou,
Pedaços de um amor escondido,
Em meio a escuridão da insegurança...

Esclarecimento indefinido,
Amor culpado,
Dentre o cinema,
Ator indeciso...

Não sabes se machuca,
Não sabes se defende,
Não sabes o que quer...

domingo, 7 de maio de 2017

Instante – poesia de Suzana Castro





Só um instante...
Relance veloz...
Não capturei teu rosto...
Em meu pensamento...
Apenas vi o teu andar...
E não podi encarar...
Tantas regras... Onde o amor proibido não pode transparecer...
Mora em mim um desejo...
Que pede pra te ver...
Que pede pra te sentir omenos em uma lembrança...
Do agora... Do teu olhar de hoje... Que poderia estar no meu pensamento, lembrado, visto sentido, no futuro... Com pouco mais que um instante...

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Saudade dolorosa – poesia de Suzana Castro


Está tão difícil seguir,
Uma fática mentira,
Já fiquei com febre,
Uma tarde,
Uma noite,
Emocionalmente...

Remédios não adiantaram,
Eu ti vi de relance,
Quase me esbarrei,
Acho que foi o bastante...

Saudades tão dolorosas,
Tão machucantes,
Quando lembro do teu rosto,
E não posso tocar...

Teus olhos tão brilhantes,
Não posso olhar olho a olho,
Apenas posso vê-los,
Em meu pensamento...

Lembro do teu sorriso,
E sinto vontade de chorar,
Pois sinto saudades,
Desta tua alegria,
Não sei quando poderei apreciar...

Legado da poesia


A poesia e uma das principais expressões artísticas que um artista pode dar. Ela vem tomando espaço desde a antiguidade, onde os poetas expressavam seus sentimentos, que tomavam posse de seus corações diante daquelas plenas guerras que ocupavam em 1° lugar no ranking de acontecimentos da época. E daí por diante veio aparecendo novos poetas. Aqueles que não tinham medo de mostrar seus sentimentos, chamados de loucos por muitos, pois fantasiavam quase tudo, um exemplo deles e o poeta Carlos Drummond de Andrade.


Já o poeta Fernando Pessoa, famoso pelo realismo, em que suas poesias se situavam.


Fernando Pessoa também é conhecido como o poeta dos escravos, defensor do abolicionismo, também por tal pensamento fisiológico.

Por isso acredito que a poesia tenha deixado e até hoje mesmo continua a deixar um legado.

Sua tal sabedoria vinda de poetas que não escondem seus verdadeiros sentimentos, que não tem medo de mostrar a verdade, falar o que sente.

Cazuza por exemplo.


E um cantor mais também poeta, ele mostrava a verdade em composições, em um pensamento ideológico e político, mostrava a corrupção, desumanidade, preconceito, em si, a desingualdade do mundo.
Foi um poeta que não teve medo de falar a verdade, em nenhum momento, seu medo percebir.

Os legados da poesia são por exemplo os sábios versos que estes poetas deixaram.




Sem contar que hoje na realidade que estamos, e considerado loucura por aqueles que pensam que fantasiar as coisas e loucura, mas não é não, e simplesmente uma maneira que o poeta encontra de enxergar as coisas de uma nova forma.
Forma essa que atribuir no poema ou poesia uma nova forma de interpretação, onde o texto fica interessante.
Poetas são aqueles que fantasiam e falam a verdade, mais diante de tudo, mostram seus sentimentos e sua ideologia, deixado assim um legado a poesia.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Renascimento – poesia de Suzana Castro





Tão belo e o nascer,
Consagrado a sobreviver,
Se vives por amor,
Será um romântico eterno,
Se vives pelo bem da humanidade,
Ideologicamente será lembrado,
Por tuas idéias de união,
E tal emblema de compaixão...

Mas mais belo que o nascer,
E o renascer...
Renascer da paixão,
Que te formou um ser eternamente amoroso...
Renascer da paz,
Que te faz um ser eternamente calmo.

Tu nasceu,
Mas quando encontrou o amor renasceu,
Com todo o amor no coração...

Tu nasce para sobreviver,
Mas renasceu para viver,
Seja qual for teu ideal vivenciado,
Tu vive,
Um sentimento nascido em tu,
E tu nele,
Renascem juntos,
Em uma razão para viver...

segunda-feira, 20 de março de 2017

Coração do Oceano – poesia de Suzana Castro

                     (Suzana Castro)

Quando você chegou,
O meu mundo se tornou melhor do que antes,
A minha vida passou a ter um sentido mais radiante,
Me tirou da tristeza,
Devolveu-me a alegria.

Fez meu coração amar novamente,
Em um amor proibido,
Que me prendia aos riscos de ser feliz.

A melodia que tocou meu coração em forma de amor,
A alegria que me fez sorrir em desejo a felicidade.
Foi você.

Entre mágoas,
Entre a logística distância,
Meu amor por você nunca deixou de existir,
Pois não morreu,
Sobreviveu ao naufrágio sentimental da vida.

O seu amor navega em meu coração,
Com uma bússola em forma de desejo,
A procura de um espaço,
Em minha grande extensão de amor,
Onde possa alogar o teu...
Para que possa nos amamos, em um só coração;
No meu coração em forma de oceano.

Um novo dia, um novo eu – poesia de Suzana Castro

                 Um novo dia começa,
               E nele o meu ser renova, 
                 Recolhe amor no coração,
              Para atribuir a quem cultiva.
                 Cultiva com carinho,
               Com cuidado,
                  Pra não machucar,
                  O novo amor que nasce no                          Meu ser.
                   O meu coração está
                    Renovado,
                    Sem mágoas, sem tristezas.
                    Estar puro,
                     Com o puro aroma do amor.
                     Que se explende a quem
                      Cultiva-lo.
                      Como uma rosa que só
                      Cresce regada de amor e
                       Carinho.
   



sábado, 11 de março de 2017

Dançando na floresta – poesia de Suzana Castro

Meu pensamento se encontra em uma floresta,
De liberdade pra viver,
Onde a vida dança em pensamento,
O sonho vive um irreal momento.

A dança está presa em meu pensamento,
Que se  liberta numa floresta.
Vejo flores que florece minha vontade de sonhar,
Vejo pássaros que me dar liberdade pra voar,
Vejo o arco iris que colori o meu jeito de imaginar.
Até o sol está pra eluminar.

Vejo tanta beleza em meu pensamento,
E até difícil de acreditar,
Mas é fácil imaginar.

Essa é minha vida – poesia de Suzana Castro

As vezes me assusto,
Com as surpresas que a vida me traz,
O coração fica confuso,
Mais depois que passa, tanto faz.
 
Os dias se tornam bons,
Os momentos passam rápido,
Doces como bombons,
Passa de dever a um hábito.

Agora encontrei os tons,
Pra colorir a vida de aprendizado,
Fazer o que quer e bônus,
Amar a vida é o primeiro qualificado.

Se libertar e assunto,
Para realizar um desejo eficaz,
Eu já não ligo tanto,
Para o que a vida me traz.

Resultado do amor – poesia de Suzana Castro

Sim eu sei,
Disse sim a todo amor,
Que pensei,
Resultaria em calor,
E sim acertei,
Mas só me trouxe dor.